terça-feira, 4 de junho de 2013

Mind Style - Bugstudium Pesquisa

Em maio aconteceu o curso Mind Style: Pesquisa de Comportamento e Marcas, promovido pelo  Orbitato: Instituto de Estudos em Arquitetura, Moda e Design, sediado em Pomerode/SC, e o BUGSTUDIUM esteve presente pois não podia perder esse evento!

O curso foi  ministrado por Raúl Trujillo que é designer, professor  de cool hunting e pesquisador  pelo Future Concept Lab de Milão.   

Orbitato
Imagem: Orbitato
Raul Trujillo, em 1994  participou de uma pesquisa de cool hunting que objetiva observar o surgimento de tendências culturais em escala global, pela Domus Academy.

Raúl Trujillo
Imagem: Gazeta do Povo
O curso Mind Style propiciou uma visão geral do que vem acontecendo em relação ao consumo e o que ocorrerá em breve e demonstrou um sistema de identificação de perfis de consumo.

Em relação as tendências e hábitos de consumo  Raul Trujillo  alerta: Estamos mudando a forma como consumimos e produzimos. “A estética fica pequena em seu jogo de inovação para dar espaço à ética capaz de recriar, que permite ao ser reconhecer-se e compartilhar sua particularidade”, explica. Em miúdos: se antes o luxo era possuir algo de grife, hoje o que conta é o compartilhamento de experiências e conhecimento.
Imagem: Orbitato
 Sobre as mudanças que estão ocorrendo em relação aos conceitos de design e como ocorrerá a produção ele afirma:  Falamos de um desenho  focado nas interfaces. As equipes de design se concentram em facilitar o acesso aos usuários a auto criação e facilitar a relação das tecnologias com as pessoas facilitando cada vez mais a customização, apropriação de uma versão sofisticada do "faça você mesmo".

No curso se observou que o sistema de design iniciou com um desenho que objetivava a funcionalidade, passando pelo período do desenho de valor estético, depois o desenho conceitual que hoje é transposto pelo desenho relacional ou baseado nas interfaces.

Imagem: Maurilio Bugmann
O objetivo do mercado deixou de ser simplesmente transacional em que a meta era vender mais e mais para um mercado relacional que objetiva manter a relação a longo prazo em que o valor maior incorporado aos produtos deixa de ser industrial para ser cultural.

Imagem: Maurilio Bugmann

O consumo que era baseado em estilos de vida passa a dar lugar aos diferentes estilos de pensamento.

Imagem: Maurilio Bugmann

Nossa interpretação para estas mudanças na forma de consumo fazem questionar as diferentes pessoas, que da mesma forma que escolhem as roupas, selecionam diferentes formas de vestir a casa, por exemplo que diferentes perfis de pessoas escolheriam cada um dos sofás  abaixo?








Um bom exercício para pensar sobre as escolhas que as pessoas fazem, não é mesmo?

Esse curso foi muito bom e trouxe muitos subsídios para enriquecermos o nosso trabalho e ampliarmos nossa forma de analisar as tendências.

Um comentário:

Marion disse...

Se eu fosse escolher, seria o terceiro, em "L"... Tô aqui pensando o q isso significa...? Pelo visto, foi um ótimo curso!!! E essa questão da "adesão" pessoal e duradoura a determinados conceitos parece-me mui apropriada à contemporaneidade, mesmo! Abs. Marion